A lembrar tempos idos…  Imaginem só!

Nos festejos proibidos desta data também houve oportunidade para registar, de forma encapotada, diversas opiniões sobre a mesma. Aqui ficam as vozes dos revolucionários.

Também houve ‘tomadas de assalto’ das salas de aula, organizadas de forma clandestina pelas professoras Dulce Carvalho e Eugénia Pedrosa, onde foram lidos, pelos alunos mais agitadores, poemas como “No meu país há uma palavra proibida”, de Manuel Alegre, “Pedra Filosofal”, de António Gedeão, e “Pão de Abril”, da autoria da professora Filomena Cravo, dos quais só conseguimos apresentar alguns excertos que escaparam ao lápis azul.

Para finalizar, os nossos corajosos repórteres ainda conseguiram captar um trecho daquela ‘canção proibida’…

(O medo da censura e das consequentes perseguições impossibilitou que as gravações e fotos apresentadas fossem publicadas mais cedo…)

Em slideshow temos fotos da Irina Bohonis e da Maria Hiripi, do 11º PM, e um vídeo produzido também pela Irina Bohonis, a partir do material captado pelos alunos Carolina Veríssimo,  Henrique Penim, Tatiana Rodrigues e Tomé Cardoso, do 9º A.