(Que outro tamanho havia de ter?!)

Para os filhos haverá sempre palavras que ficam por dizer e gestos por fazer…

Lembrada vivamente quando o absurdo da morte se vislumbra, talvez também por estar tão ligada ao mistério da vida.

Uma vez, a minha disse-me que ser mãe era como ter um coração a bater fora do peito… algo que tinha lido ou ouvido e que tinha achado bonito. Depois foi a minha vez… e hoje percebo bem o sentido daquelas palavras. Mais do que parir é o ato de criar um ser independente, mas que será para sempre da sua mãe.

Um Feliz Dia para os Filhos e para as Mães.

Professora Carmen Pragana

(mais uma filha e mãe e avó…)